O que não pode fazer

–> Năo utilize AdBlue® como aditivo para gasóleo;
–> Năo deite AdBlue® no depósito de combustível;
–> Năo funcione sem AdBlue®;
–> Năo torne a encher recipientes de AdBlue® usados sem uma prévia limpeza certificada;
–> Năo armazene AdBlue® à luz solar directa;
–> Não permita qualquer contacto entre o AdBlue® e qualquer outra substância ou material para além de aço 100% inox 316 Ti e o PEAD (polietileno de alta densidade).

Normas de segurança

  • Deve verificar sempre se as garrafas cheias que lhe são entregues trazem cápsula;
  • Utilize sempre as garrafas de pé;
  • Nunca guarde ou utilize garrafas em caves ou perto de grelhas ou esgotos;
  • Guarde e utilize sempre as garrafas em locais arejados;
  • Se transportar uma garrafa de gás, faça-o colocando obrigatoriamente as garrafas na posição vertical assentes sobre a sua base;
  • Sempre que mudar a garrafa, esteja atento a possíveis fugas que se detetam pelo cheiro característico. Se possível, verifique as ligações com espuma e sabão;
  • Ao instalar aparelhos de queima, faça-o recorrendo a técnicos credenciados por forma a assegurar-se que os mesmos são instalados em condições de segurança;
  • Leia sempre as instruções de funcionamento e segurança dos aparelhos antes de utilizá-los a primeira vez.

Segurança

O Seguro Casa e Bens Rubis Gás é TOTALMENTE GRATUITO para os clientes Rubis Gás em garrafa e constitui uma excelente garantia da sua segurança.

Em caso de acidente resultante de fuga de gás, garante até ao montante de 25.000 Euros os danos materiais e as despesas de tratamento que resultem de lesões.

Solicite gratuitamente o Certificado de Adesão junto do nosso ponto de venda.

Pode também fazer a sua adesão ao Seguro Casa e Bens no site da Rubis Gás, bastando para isso seguir o link: http://rubisenergia.pt/seguro-casa-e-bens

Disponível 365 dias por ano, o Piquete de Emergência 24h está preparado para responder a qualquer situação de emergência dos clientes Rubis Gás de garrafas, granel e canalizado, em Portugal Continental, ligando para o número 808 242 001.

Produtos

Butano ou Propano? Escolha a melhor opção.

O Butano e o Propano são Gases de Petróleo Liquefeito (GPL) altamente inflamáveis que se obtêm a partir da destilação do petróleo bruto. As diferenças entre o gás Butano e o gás Propano são a sua composição química, conferindo-lhes consequentemente, características específicas que potenciam as suas aplicações.

Opte pela solução que melhor responderá às suas necessidades, com total conforto e segurança.

Entregas/Distribuição

Temos uma rede/pontos de venda em todo o concelho de Ferreira do Alentejo, bem como em Aljustrel, Beringel, Cabeça Gorda, Castro Verde, Mombeja e Trigaches.

Caso pretenda a entrega direta no seu domicilio pode contactar-nos através dos seguintes meios:

  • Telemóvel: 00351 967762019 –> Contacto preferencial
  • Correio eletrónico: gas@carlosbaltazar.pt
  • Telefone: 00351 284738993
  • Correio: Rua Irene Lisboa, n.º 1-A – 7900-648 Ferreira do Alentejo

Não fazemos entregas ao domicilio em Aljustrel, Cabeça Gorda e Castro Verde, nesses locais apenas vendemos nos Postos de Abastecimento CB.

Serviços técnicos

Poderá contactar com os nossos Serviços Técnicos, que lhe proporcionarão uma ajuda especializada para responder de forma rápida e eficiente a todas as suas perguntas relativas a:

  • Especificações de lubrificantes;
  • Informação sobre normas de qualidade;
  • Últimos requisitos dos fabricantes automóveis sobre recomendações e exigências de lubrificação;
  • Linha de produtos BP, Castrol e Galp;
  • Planos de lubrificação para viaturas ou máquinas.

Os nossos Serviços Técnicos estão disponíveis através do telefone 284 738993 ou através do e-mail andre.furtado@carlosbaltazar.pt

Convidamos ainda os nossos clientes a consultarem o seletor de produtos Castrol: seletor de produtos Castrol

Gama de produtos

Lubrificantes e especialidades auto: Lubrificantes sintéticos e minerais de elevada qualidade e aprovados de acordo com os mais exigentes testes da indústria automóvel para o motor, transmissões e especialidades.

Motas: Qual é o tipo de lubrificante adequado para o seu motociclo? É importante que escolha o lubrificante adequado, porque as necessidades de lubrificação dos motociclos de desempenho, cruiser e vintage são muito diferentes. Reconhecemos a importância de manter o seu motociclo em perfeitas condições. Existe um lubrificante de motor para cada tipo de motociclo e motor. Isto ajuda a proteger contra o aquecimento e o atrito, permitindo uma aceleração mais rápida. 

Fiabilidade e Performance: Oferecemos uma linha completa de lubrificantes e especialidades para veículos pesados, lubrificantes de elevada qualidade para o motor, transmissão e outras aplicações.    

Agricultura: Oferecemos uma linha completa de lubrificantes e especialidades para a Agricultura.

Máquinas de movimentação de terras: Disponibilizamos uma linha completa de lubrificantes e especialidades para veículos industriais e máquinas de construção e obras públicas que incluem produtos sintéticos e minerais de elevada qualidade para motor, linha de transmissão e outros órgãos mecânicos.

O mercado atual está em constante movimento e é altamente competitivo. O equipamento tem de funcionar eficazmente em todas as condições de serviço.  Exige-se cada vez mais dos lubrificantes, de forma a reduzir os custos operacionais, minorar o impacto ambiental, aumentar a vida útil dos equipamentos e permitir a otimização de bens e serviços.

Soluções de Lubrificação   Oferecemos uma gama completa de lubrificantes sintéticos e minerais para as diversas aplicações industriais onde são exigidos produtos de elevada performance.

A nossa principal especialidade: lubrificantes agrícolas.

Gasóleo profissional

CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE

1. DO ADQUIRENTE:

  • O adquirente do combustível tem que estar licenciado como empresa de transporte de mercadorias, com sede ou estabelecimento num Estado membro da União Europeia, seja proprietário, locatário financeiro ou locatário em regime de aluguer sem condutor da viatura elegível;
  • O adquirente terá de efetuar os abastecimentos através de cartões frota emitidos pelas petrolíferas nacionais ou emitidos no estrangeiro e aceites em território nacional;
  • O adquirente terá de utilizar o respetivo número de identificação fiscal (NIF) na comunicação dos abastecimentos.            

2. DA VIATURA:

  • Veículos tributados na categoria D do Imposto Único de Circulação (IUC) ou seja, veículos afetos ao transporte por conta de outrem ou, veículos equivalentes de outros Estados membros da União Europeia;
  • A medida abrange, contudo e para já, apenas veículos de peso bruto igual ou superior a 35 toneladas. No caso de veículos articulados, constituídos por trator e semirreboque, ou conjuntos formados por veículo automóvel e reboque, o peso total em carga corresponde ao peso bruto máximo que o automóvel está autorizado a deslocar.

3. DOS LIMITES ANUAIS DE ABASTECIMENTO:

  • Valor máximo de abastecimento anual, por veículo, elegível para reembolso, encontra-se fixado em 35.000 litros. O limite anual por viatura passou dos 30.000 lts para os 35.000 lts por força da publicação da Portaria 269/2018, de 26 de setembro.

    Nota: a alteração de propriedade ou do locatário da viatura abrangida não interrompe a contagem para efeitos dos limites anuais de abastecimento.

4. POSTOS DE COMBUSTÍVEL ABRANGIDOS:

Desde o dia 1 de janeiro de 2017 que, o gasóleo profissional já é uma realidade em todo o território nacional.

Relativamente aos postos de gasóleo profissional onde o abastecimento é possível, recordamos que estes devem estar devidamente autorizados pela Autoridade Tributária.

5. ADMISSIBILIDADE DO REEMBOLSO:   

  • Registo e comunicação tempestiva do abastecimento através de sistema devidamente certificado;
  • Abastecimento em posto de combustível devidamente autorizado pela AT. Aguarda-se a resposta da AT quanto aos postos de abastecimento de consumo próprio;
  • Elegibilidade da viatura e do adquirente do combustível para beneficiarem deste regime;
  • Cumprimento dos limites quantitativos máximos de abastecimento por viatura;
  • Abastecimento com gasóleo marcado, quando aplicável.

6. COMUNICAÇÃO DOS ABASTECIMENTOS:

Os abastecimentos terão de ser realizados em postos de combustíveis  que utilizem sistemas de registo com certificação prévia da AT e sejam devidamente autorizados por esta. O abastecimento do combustível terá de ser efetuado por um identificador especifico por adquirente e por viatura, designadamente, através de “cartões frota” associados à matrícula da viatura. São os emitentes dos cartões frota – bem como de outros cartões similares – ou seus representantes em Portugal, que comunicam eletronicamente à AT os seguintes dados: a) Código do estabelecimento; b) Data e hora do abastecimento; c) Número de litros abastecidos; d) Preço de venda dos litros abastecidos; e) NIF ou, em relação aos adquirentes sem NIF ou NIPC português, o número de identificação em sede de imposto sobre o valor acrescentado emitido por outro Estado membro do adquirente do combustível; f) País emissor do NIF ou do número de identificação em sede de imposto sobre o valor acrescentado; g) Matrícula do veículo; h) País emissor da Matrícula; i) Quilometragem da viatura no momento do abastecimento; j) Número da fatura ou documento equivalente; k) Data da fatura ou documento equivalente; l) O número do «cartão frota» ou outro mecanismo de controlo individualizado por viatura utilizado no registo dos abastecimentos; m) O peso total em carga permitido da viatura, quando matriculada noutro Estado membro; n) O tipo de combustível abastecido. Estes dados deverão ser transmitidos à AT até ao dia 15 do mês seguinte do abastecimento.

A empresa transportadora não terá de efetuar qualquer pedido de reembolso ou apresentar qualquer requerimento.
Os abastecimentos serão disponibilizados no portal das finanças até ao dia 20 do mês seguinte ao abastecimento, na área reservada de cada adquirente elegível. Pode ser feita uma reclamação, no portal das finanças até ao dia 25 do mês seguinte ao abastecimento.

7.MONTANTE DO REEMBOLSO:

É reembolsado, ao adquirente, a diferença entre o nível mínimo de tributação previsto no artigo 7.º da diretiva 2003/96/CE, de 27 de outubro e o montante total dos impostos indiretos cobrados (ISP+contribuição rodoviária e taxa de carbono, excluindo o IVA), calculados direta ou indiretamente com base na quantidade de produtos petrolíferos (de acordo com a AT, o montante a reembolsar aos adquirentes para 2020 será na ordem dos 0,1826/litro* de gasóleo rodoviário abastecido). 

O artigo 13.º n.º2 da Portaria n.º 246-A/2016 de 8 de setembro ao remeter para o artigo 15.º n.º 4 do CIEC acaba por determinar que, o reembolso do valor do gasóleo profissional, só é efetuado desde que o montante a reembolsar, por cada abastecimento individual, seja igual ou superior a 25€.

Na prática, tal significa que, atendendo ao valor atualmente em vigor (montante a reembolsar aos adquirentes é de 0,1826€/l*), os veículos deverão ser atestados sempre com, sensivelmente, 150 litros ou mais (150*0.1826 = 27.39€). Caso o abastecimento realizado seja de valor inferior ao ora referido, tal determinará que não haverá qualquer pagamento pois o valor a reembolsar é inferior a 25€.

notas:
 
* Com a publicação da Portaria n.º 42/2020, de 14 de fevereiro, o governo procedeu à atualização da taxa de carbono que passou dos 0.03153 €, fixada em 2019, para os 0.05845 €. Esta alteração implica, desde logo, uma expectável subida do preço do combustível (no caso do gasóleo cerca de 0.02692 € por litro) e consequentemente, terá efeitos no montante a reembolsar aos transportadores por via do gasóleo profissional.

Assim, em 2020, prevê-se que o montante a reembolsar aos transportadores por via do gasóleo profissional seja na ordem dos 0.1826 €/l abastecido (por oposição aos 0.15568 €/l abastecido, em 2019).

Em todo o caso, importa ainda aguardar pela decisão do governo quanto ao valor da taxa de ISP para 2020. Recorde-se que em 2019, o governo decidiu manter a taxa do ISP que tinha vigorado em 2018 sendo que, ate à data, desconhecemos se a tutela manterá esta decisão ou se, pelo contrário, procederá à revisão da Portaria 301-A/2018, de 23 de novembro e em que resultado, o valor da taxa de ISP seja revisto.

Recorde-se que é reembolsado ao adquirente, por via do gasóleo profissional,  a diferença entre o nível mínimo de tributação previsto no artigo 7.º da diretiva 2003/96/CE, de 27 de outubro (0.33€/l) e o montante total dos impostos indiretos cobrados, excluindo o IVA:

– ISP: 0.34315 €/l, em vigor desde 2018

– Contribuição de serviço rodoviário: 0.111 €/l, em vigor desde 2015

-Taxa de carbono: 0,05845 €/l, a vigorar a partir de 15 de fevereiro de 2020

Caso o governo venha a alterar a taxa do ISP ou as restantes, o montante a reembolsar aos adquirentes será maior ou menor consoante se trate de um aumento ou diminuição dos respetivos impostos sobre os produtos petrolíferos (ISP). 

8. PROCESSAMENTO DO REEMBOLSO:

Os reembolsos são processados individualmente com base em cada abastecimento comunicado.
O pagamento do reembolso deverá ser efetuado até três meses após a data da comunicação do abastecimento, para o IBAN constante do cadastro de contribuintes da AT ou na sua ausência para o último IBAN utilizado em sede de pedido de reembolso de imposto sobre o valor acrescentado.

Nota: O processo de reembolso parcial pode ser suspenso para analise manual, quando exista reclamação ou algum indicador de risco (desconformidade da informação comunicada com outros dados obtidos pela AT. A decisão deverá ser proferida pela estância aduaneira da área do domicilio fiscal do adquirente no prazo de 3 meses face à data de abastecimento a não ser que os dados sejam remetidos à Inspeção Tributária e Aduaneira para investigação.

9. POSTOS DE COMBUSTÍVEL PARTICULARES PARA CONSUMO PRÓPRIO:

Com a publicação da Portaria n.º 17/2017, de 11 de janeiro, que veio proceder à primeira alteração da Portaria n.º 246-A/2016, de 8 de setembro, que adota um regime transitório de simplificação dos procedimentos do “gasóleo profissional”, veio determinar que, aos abastecimento realizados em ou para instalações de consumo próprio entre 1 de janeiro de 2017 e 31 de dezembro de 2019*, ao contrário daquilo que estava inicialmente regulado, não se exige a utilização de gasóleo profissional marcado nos respectivos depósitos, podendo por isso os mesmos serem utilizados para abastecimento de viaturas elegíveis e não elegíveis (embora, para efeitos de reembolso apenas poderão ser consideradas as viaturas elegíveis-categoria D, com peso bruto igual ou superior a 35 toneladas). Os postos de combustíveis particulares para consumo próprio, informamos que estes terão igualmente de ser validados e credenciados pela AT.

Gasóleo de Aquecimento

O Gasóleo de Aquecimento destina-se exclusivamente para equipamentos de aquecimento.

Proteja-se do frio do Inverno com o Gasóleo de Aquecimento. Composto por uma fórmula exclusiva, com aditivos especificos, este gasóleo oferece maior poder calorifico que outros gasóleos, ao mesmo tempo que aumenta o rendimento da instalação e prolonga a vida útil da caldeira.

Graças à sua composição química e à sua maior densidade, preserva as condições de utilização iniciais das instalações de produção de calor, o que permite obter mais calor por litro que qualquer outro gasóleo, assegurando ainda uma manutenção das instalações mais fácil e económica, o que se traduz por uma poupança significativa.

Além disso, a redução do consumo de gasóleo origina uma diminuição das emissões poluentes fazendo com que este seja um produto muito mais respeitador do ambiente.

Obtenha o máximo conforto para sua casa.

Fazemos a entrega ao seu domicilio. Faça aqui a sua encomenda.

Gasóleo colorido

O gasóleo colorido e marcado, vulgarmente conhecido por gasóleo verde ou por gasóleo agrícola, é o gasóleo que pode ser adquirido com redução ou isenção total do imposto especial de consumo no momento do abastecimento.

O benefício do gasóleo colorido e marcado, consiste na redução ou isenção do imposto especial de consumo, tributado no preço de venda ao público, do gasóleo adquirido para a execução de determinadas atividades económicas. Desde o início da década de 90 do século passado, que o acesso a este benefício faz-se através da utilização do cartão de gasóleo verde.

A utilização do cartão do gasóleo verde permite usufruir da redução ou isenção do imposto sobre os produtos petrolíferos, no momento do abastecimento. Este cartão é pessoal e intransmissível, sendo os respetivos titulares responsáveis pela sua regular utilização.
Os abastecimentos realizados através da utilização do cartão do gasóleo verde, têm de estar de acordo com a atividade económica no âmbito da qual foi autorizada a sua atribuição.
O cartão do gasóleo verde tem a validade de cinco anos a partir da data em que é emitido. A DGADR emite estes cartões a pedido das entidades competentes para o reconhecimento do benefício fiscal em causa.

Obrigações do beneficiário

Os beneficiários ficam sujeitos sob pena de incorrerem em infração tributária, às seguintes obrigações:

  • Comunicar às autoridades competentes qualquer alteração dos pressupostos do benefício fiscal;
  • Comunicar outras alterações relevantes, designadamente alteração da localização das instalações ou dos equipamentos autorizados, transferência de propriedade dos equipamentos bem como a cedência ou substituição destes;
  • Colaborar com as autoridades competentes na realização dos controlos que vierem a ser determinados, com vista a comprovar a efetiva afetação dos produtos aos destinos ou utilizações com benefício fiscal e fornecer todos os elementos de informação solicitados.

O beneficiário deve garantir a legitimidade da informação que fornece ao posto de abastecimento, para que a informação que consta nos registos da faturação esteja de acordo com a informação dos registos do abastecimento, nomeadamente:

  • O nome do cliente que consta na fatura, deve coincidir com o nome ao qual está associada a candidatura ao benefício;
  • O número de identificação fiscal que consta na fatura, deve coincidir com número de identificação fiscal ao qual está associada a candidatura ao benefício.

O beneficiário tem a obrigação de garantir que o cartão do gasóleo verde está disponível no local onde o abastecimento vai ser realizado. No momento do abastecimento o beneficiário tem de garantir que o cartão está ativo.

A deteção por parte das autoridades competentes de irregularidades nos registos anteriores, implicará o pagamento de coimas tanto da parte do posto de abastecimento como da parte do beneficiário, que ficará sujeito a controlo.

Ao abrigo da alínea b) do nº 3, da Portaria nº 117-A/2008 de 8 de fevereiro (alterada pelas Portarias n.º 762/2010 de 20 de agosto e n.º 206/2014 de 8 de outubro) e por decisão da Autoridade Tributária e Aduaneira, desde o início de 2016, que existe revogação imediata deste benefício fiscal, atribuído aos beneficiários identificados pelas autoridades competentes a utilizar o gasóleo colorido e marcado nas suas viaturas privadas. Esta decisão implica o cancelamento dos cartões de gasóleo verde emitidos em nome dos beneficiários identificados.